Doenças da mente feminina

                Olá meninas aqui algumas curiosidades das doenças da mente feminina, confira e entenda o que acontece com você mulher!

  Os sintomas a seguir também são tidos pelos homens, mais pesquisas comprovam que a mulher tende a ter mais que os homens devido a instabilidade hormonal.

DEPRESSÃO -

As mulheres têm o dobro de chance de vir a desenvolver o distúrbio em razão da instabilidade hormonal, são elas as responsáveis pelo consumo de 70% dos antidepressivos. 
    Depressão é doença, cujo agente causador não conhecemos com clareza. É um estado emocional de negatividade que se prolonga por meses, no qual se destacam sentimentos pessimistas diante da vida (culpa, desesperança, pensamentos ligados à morte), perda de interesse em atividades que antes eram prazerosas, assim como queda de autoestima e autoconfiança.

SINTOMAS  

 Podem aparecer também dificuldades de concentração e de tomada de decisões, distúrbios do sono, falta de energia (cansaço permanente), desleixo com aparência, desajustes alimentares (diminuição ou aumento do apetite), confusão mental, irritabilidade e agressividade.

TRATAMENTO

A escolha do tratamento mais adequado deve ser personalizada e feita depois de uma avaliação física e mental completa da pessoa doente. Os tipos de tratamento são diversificados, sendo aplicados de acordo com a situação clínica. Eis algumas opções para o tratamento da depressão que o seu médico poderá recomendar: 

ALTERAÇÃO DO ESTILO DE VIDA

 * Prática de atividade física
* Alimentação saudável 
* procurar ajuda de familiares e amigos
*  Tempo para socializar com outras pessoas

  PSICOTERAPIA 

Existem várias formas de psicoterapia, a terapia cognitiva comportamental é a mais estudada e efetiva no tratamento da depressão, ajudando as pessoas a corrigir o padrão de pensamentos negativos e a adaptarem-se melhor ao mundo a sua volta.

MEDICAMENTOS

Os medicamentos indicados para o tratamento da depressão, são os chamados de antidepressivos e devem ser receitado apenas por um especialista.

O tratamento deverá ser continuado por vários meses, mesmo depois de se sentir melhor.
Só desta forma evitará recaídas quando terminar o tratamento antidepressivo. Não altere nem interrompa o tratamento indicado pelo seu médico e caso não se sinta confortável antes de tomar alguma decisão fale com o seu médico ou farmacêutico.

   ANSIEDADE - 

 A ansiedade não é considerada um problema pelos especialistas, mas sim uma reação normal do organismo. Entretanto, quando passa a prejudicar o nosso cotidiano, aí sim, é necessária a ajuda de um profissional. 

    SINTOMAS

Os sintomas de ansiedade podem-se manifestar a nível físico, como a sensação de aperto no peito, por exemplo, ou a nível emocional como a presença de pensamentos negativos, preocupação e medo quando há poucos motivos ou eles nem existem. Desta forma, os sintomas de ansiedade incluem:

     Sintomas físicos:
  • Enjoo
  • Tontura
  • Falta de ar ou respiração ofegante
  • Dor ou aperto no peito
  • Dor de barriga
  • Roer as unhas
  • Tremor
  • Palpitação do coração
  • Irritabilidade e fadiga fácil
  • Tensão muscular
  • Dificuldade em dormir.  
      Sintomas emocionais:
  • Agitação e nervosismo;
  • Dificuldade de concentração e em relaxar;
  • Preocupação, pânico ou medo constante de alguma situação em particular, como por exemplo medo de se machucar;
  • Sensação de que algo ruim vai acontecer;
  • Descontrole sobre os próprios pensamentos;
  • Preocupação exagerada.
Se três ou mais destes sintomas estiverem presentes quase que diariamente nos últimos 6 meses, é importante consultar um psicólogo para avaliar e indicar o melhor tratamento, pois o indivíduo pode estar sofrendo de um quadro chamado transtorno de ansiedade generalizada.

TRATAMENTO

 O indivíduo pode recorrer apenas a remédios naturais como por exemplo:
  • Suco de maracujá, pois possui propriedades calmantes e ansiolíticas
  • Chá de camomila devido à sua ação calmante
  • Comer alface, porque ele ajuda a relaxar os músculos e o sistema nervoso
  • Tomar um banho morno para relaxar o corpo
  • Receber uma massagem vigorosa, mas relaxante.
 Se este tratamento para ansiedade for insuficiente, o médico poderá indicar o uso de medicamentos antidepressivos ou ansiolíticos e o acompanhamento com um psicólogo ou psicanalista poderá ser necessário.

Medicamentos:
Existem remédios para controlar a ansiedade que só devem ser receitados por um especialista.
 Estes remédios são classificados como ansiolíticos e só devem ser utilizados sob orientação médica, pois podem causar dependência.

 SÍNDROME DO PÂNICO - 

 A síndrome do pânico é um tipo de transtorno de ansiedade no qual ocorrem ataques repetidos de medo intenso de que algo ruim aconteça de forma inesperada. A causa é desconhecida A genética pode ser um fator determinante. Pesquisas indicam que, se um gêmeo idêntico tem síndrome do pânico, o outro gêmeo também desenvolverá o problema em 40% das vezes. No entanto, a síndrome do pânico em geral ocorre sem que haja nenhum histórico familiar. O ataque de pânico começa de repente e, na maioria das vezes, atinge seu ápice dentro de 10 a 20 minutos. Alguns sintomas podem continuar por uma hora ou mais. Um ataque de pânico pode ser confundido com um ataque cardíaco.

 SINTOMAS

  • Dor no peito ou desconforto
  • Tontura ou desmaio
  • Medo de morrer
  • Medo de perder o controle ou de uma tragédia iminente
  • Sensação de engasgar
  • Sentimentos de indiferença
  • Sensação de estar fora da realidade
  • Náuseas ou mal-estar estomacal
  •  Formigamento nas mãos, nos pés ou no rosto
  • Palpitações, ritmo cardíaco acelerado ou taquicardia
  • Sensação de falta de ar ou sufocamento
  • Suor, calafrios ou ondas de calor
  • Tremores
 As pessoas com síndrome do pânico têm pelo menos quatro desses sintoma.  Os ataques de pânico podem alterar o comportamento em casa, na escola ou no trabalho. As pessoas com a síndrome do pânico muitas vezes se preocupam com os efeitos de seus ataques de pânico. 

TRATAMENTO 

 Os medicamentos antidepressivos chamados inibidores seletivos da recaptação da serotonina (ISRSs) são normalmente receitados para a síndrome do pânico, que deve ser receitado apenas por um especialista.

A terapia cognitiva comportamental ajuda a entender seus comportamentos e o que fazer para mudá-los. Você deverá fazer de 10 a 20 visitas ao terapeuta durante várias semanas. Durante a terapia, você aprenderá a:

  • Entender e controlar as visões distorcidas dos estressores da vida, como o comportamento de outras pessoas ou eventos importantes.
  • Reconhecer e substituir os pensamentos que causam pânico, diminuindo o sentimento de impotência.
  • Gerenciar o estresse e relaxar quando os sintomas ocorrerem.
  • Imaginar as situações que causam a ansiedade, começando pela menos assustadora. Envolver-se lentamente com as situações da vida real pode ajudá-lo a superar os medos.
 
As seguintes ações também podem ajudar a reduzir o número e a gravidade dos ataques de pânico:

  • Fazer exercícios regulares
  • Dormir o suficiente
  • Fazer refeições regulares
  • Reduzir ou evitar a cafeína, alguns remédios para gripe e estimulantes.  

TRANSTORNO BIPOLAR- 

O transtorno bipolar é um problema em que as pessoas alternam entre períodos de muito bom humor ou irritação e depressão. As "oscilações de humor" entre a mania e a depressão podem ser muito rápidas. O transtorno bipolar afeta homens e mulheres igualmente. O transtorno bipolar geralmente tem início entre os 15 e 25 anos. A causa exata do transtorno bipolar ainda é desconhecida, mas ocorre com mais frequência em familiares de pessoas com transtorno bipolar. 

 Tipos de transtornos bipolar:

  • As pessoas com transtorno bipolar do tipo I apresentam pelo menos um episódio maníaco e períodos de depressão profunda. Antigamente, o transtorno bipolar do tipo I era chamado de depressão maníaca.
  • As pessoas com transtorno bipolar do tipo II nunca apresentaram episódios maníacos completos. Em vez disso, elas apresentam períodos de níveis elevados de energia e impulsividade que não são tão intensos como os da mania (chamado de hipomania). Esses episódios se alternam com episódios de depressão.
  • Uma forma leve de transtorno bipolar chamada ciclotimia envolve oscilações de humor menos graves. Pessoas com essa forma alternam entre hipomania e depressão leve. As pessoas com transtorno bipolar do tipo II ou ciclotimia podem ser diagnosticadas incorretamente como tendo apenas depressão.

    SINTOMAS

  • Distraise facilmente
  • Redução da necessidade de sono
  • Capacidade de discernimento diminuída
  • Pouco controle do temperamento
  • Compulsão alimentar, beber demais e/ou uso excessivo de drogas
  • Capacidade de discernimento diminuída
  • Sexo com muitos parceiros (promiscuidade)
  • Gastos excessivos
  • Atividade em excesso (hiperatividade)
  • Aumento de energia
  • Pensamentos acelerados que se atropelam
  • Fala em excesso
  • Autoestima muito alta (ilusão sobre si mesmo ou habilidades)
  • Grande envolvimento em atividades
  • Grande incomodação (agitação ou irritação)

  TRATAMENTO

Os períodos de depressão e mania voltam a ocorrer na maioria dos pacientes, mesmo sob tratamento. Os principais objetivos do tratamento para transtorno bipolar são:

  • Evitar a alternância entre as fases
  • Evitar a necessidade de hospitalização
  • Ajudar o paciente a agir da melhor maneira possível entre os episódios
  • Impedir comportamento autodestrutivo e suicídio
  • Reduzir a gravidade e a frequência dos episódios
Programa de terapias de apoios também faz parte do tratamento. São usados medicamentos que só deveram ser receitados por especialista.
    

                                                           ( Imagem do google )
                                 É isso meninas espero ter ajudado, um super beijos e até mais!!

2 comentários:

  1. Nossa que artigo interessante, muito bem explicado, Confesso que sou um pouco ansiosa, mas nada muito exagerado rs. Beijos!
    Te espero em: http://meudocemundo2010.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  2. Que bom que gostou flor. ( Alice de Santana) Muito feliz com sua visita beijão!!

    ResponderExcluir

Voltar ao topo